Perguntas Frequentes

Os serviços psicológicos oferecidos por psicólogas/os através da Internet já estão regulamentados pelo Conselho desde o ano de 2012. A Resolução do CFP nº 11/2012 traz os procedimentos e condições para a prestação de atendimento psicológico através de sites específicos para este fim. Os sites deverão ser submetidos à avaliação do Conselho onde, ao final, receberão autorização para o funcionamento.

Encontram-se autorizados os seguintes serviços online prestados por psicólogas/os através de site credenciado:

I. As Orientações Psicológicas de diferentes tipos, entendendo-se por orientação o atendimento realizado em até 20 encontros ou contatos virtuais, síncronos ou assíncronos;

II. Os processos prévios de Seleção de Pessoal;

III. A Aplicação de Testes devidamente regulamentados por resolução pertinente;

IV. A Supervisão do trabalho de psicólogos, realizada de forma eventual ou complementar ao processo de sua formação profissional presencial;

V. O Atendimento Eventual de clientes em trânsito e/ou de clientes que momentaneamente se encontrem impossibilitados de comparecer ao atendimento presencial.

Não há autorização para realização de psicoterapia online.

A Tabela de Honorários é um documento de referência nacional de valores, em reais, não estabelece piso nem teto de preços para os honorários cobrados, cabendo, portanto, a cada profissional psicóloga/o definir, em comum acordo com a pessoa (física ou jurídica) que solicita seus serviços, os valores a serem cobrados.
A Tabela de Honorários está disponível no link:

http://site.cfp.org.br/servicos/tabela-de-honorarios/

Sim. O imposto é cobrado pelo Sindicato das/os psicólogas/os no Estado da Bahia (Sinpsi-BA) e independe de filiação/associação ao Sindicato. Para maiores informações acesse: http://www.sinpsibahia.org.br/.

 

O imposto é obrigatório; a contribuição não. A contribuição pressupõe uma filiação ao Sindicato, o que trata de uma questão de custo e benefício, cabendo à/ao psicóloga/o optar ou não pelo pagamento.

 

Sim, nenhum outro profissional poderá fazer uso, aplicação, avaliação, compra e emissão de pareceres baseados nos mesmos. Neste caso, caracteriza-se exercício ilegal da profissão de psicóloga/o.

 

Não. Instrumentos de avaliação psicológica são de uso restrito das/os psicólogas/os, não podendo ser divulgados, ensinados ou cedidos a terceiros. Por outro lado, não existe “treinamento prévio” para realização de avaliação psicológica.

 

Não. O Conselho oferece a possibilidade de reconhecimento do trabalho da/o psicóloga/o através de especialidades, contudo, este procedimento não estabelece condição para o exercício profissional. (link: http://www.pol.org.br/)

 

 

Para obter o Título de Especialista em Psicologia, a/o psicóloga/o precisa, de acordo com a Resolução do CFP 13/2007:

  1. ser aprovada/o no Concurso de Provas e Títulos. Após a aprovação, a/o profissional deve dar entrada no Conselho Regional de Psicologia da Bahia (CRP-03) com a cópia da homologação da aprovação, no Diário Oficial da União portando os documentos indicados no edital do Concurso que comprovem a prática profissional na área por 2 (dois) anos. Depois de analisar a documentação apresentada e constatada a sua autenticidade, o CRP-03 emitirá um parecer conclusivo sobre a concessão do Título de Psicóloga/o Especialista, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias, contados a partir do recebimento comprovado em protocolo. Após a concessão do Título, o CRP-03 procederá ao devido registro fazendo-o constar na Carteira de Identidade Profissional (CIP).
    Para habilitar-se ao Título de Especialista e obter o registro, a/o psicóloga/o deverá estar inscrito no CRP-03 há pelo menos 02 (dois) anos. A/o profissional de Psicologia poderá obter até 02 (dois) títulos de Especialista.
  2. Realizar curso de Especialização reconhecido pelo MEC e submeter à Comissão de Títulos de Especialista do CRP-03 o reconhecimento do título, mediante a entrega dos documentos indicados na Resolução.